5 de abril de 2012

News: Pesquisa aponta que brasileiro reconhece importância da leitura, mas prefere outras atividades


Postado por Carol Guimarães

Por Amanda Cieglinski
O brasileiro sabe da importância da leitura para progredir na vida, mas continua considerando a atividade desinteressante. Este é o principal diagnóstico da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada nesta semana pelo Instituto Pró-Livro. Foram entrevistadas mais de cinco mil pessoas em 315 municípios e os resultados apontam que apenas metade delas pode ser considerada leitora. O critério é ter lido pelo menos um livro nos últimos três meses.
Entre os participantes, 64% concordaram totalmente com a afirmação “ler bastante pode fazer uma pessoa vencer na vida e melhorar sua situação econômica”. Mas 30% disseram que não gostam de ler, 37% gostam um pouco e 25% gostam muito. Entre os não leitores, a principal razão para não ter lido nos últimos meses é a “falta de tempo”, apontada por 53% dos entrevistados. No topo da lista aparecem também justificativas como “não gosto de ler” (30%) ou “prefiro outras atividades” (21%).
A professora Vera Aguiar, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), explicou que a falta de hábito de leitura no país é cultural. “Nossa cultura é muito oral. Se a gente pensa na religião, nas festas como o carnaval ou nos esportes como o futebol, percebe que o brasileiro prefere atividades exteriores que envolvam muitas pessoas”, aponta a pesquisadora da Faculdade de Letras da PUC-RS.
Vera defende que mesmo sendo uma questão cultural, é possível mudar o quadro com ações de incentivo à leitura. Ela acredita que nas últimas décadas houve um incremento grande de programas voltados para o estímulo da leitura, mas as iniciativas ainda não tiveram o efeito esperado. “Há várias iniciativas de vários setores da sociedade – governos municipais, estaduais e federal, ONGs [organizações não governamentais], universidades – mas mesmo assim é pouco. Essas ações precisam ser mais articuladas”.
Para Maria Antonieta Cunha, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e diretora do programa do Livro Leitura e Literatura do Ministério da Cultura, o brasileiro associa a leitura à obrigação e não ao prazer. Um trecho do estudo que evidencia essa tese são as respostas dos entrevistados à pergunta “qual é o significado da leitura para você”. Mais de 60%, acham que ler uma “fonte de conhecimento para a vida”, “fonte de conhecimento para atualização profissional” (41%) e “fonte de conhecimento para a escola” (35%). Para a professora, os resultados indicam que a maioria das pessoas não associa diretamente a leitura a uma atividade de lazer.
“A questão é que nós não temos a leitura como um valor social. A pessoa não conseguiu descobrir que a leitura trabalha, mais do que tudo, com a transcendência, que é o grande item do ser humano. É aquilo que diz Fernando Pessoa: a literatura é uma confissão de que a vida não basta”, disse Maria Antonieta durante o lançamento da pesquisa.
O estudo também demonstra que o hábito da leitura está conectado com a frequência à escola. Entre os que estudam estão apenas 16% do total da população de não leitores. Mesmo entre aqueles considerados leitores, a média de obras lidas é 1,4 para quem não está estudando ante 3,4 para quem estuda (considerando os últimos três meses). “Que escola é essa que nós temos que não consegue desenvolver leitores para a vida inteira?”, pergunta Maria Antonieta.
A representante do Ministério da Cultura defende que as escolas e as bibliotecas, apontadas como um local desinteressante pelos entrevistados, precisam ter bons mediadores de leitura. “São professores verdadeiramente capazes de fazer o olhinho do aluno brilhar ao ouvir uma história. Para isso o próprio professor precisa ser um apaixonado pela leitura”.
Esse texto foi retirado do site da Uol no dia 1/04/2012

11 comentários:

  1. Fiquei até impressionado com o resultado, achava que o número de leitores era menor.
    Essa é uma questão super complexa, mas vou tirar minha experiência como exemplo. Durante toda minha formação básica, ou seja, Ensino Fundamental e Ensino Médio, li apenas 3 livros, ("Um Dono para o Buscapé", "Cinco Minutos" e "Menino de Engenho"). O que acho mais complicado é que a maioria dos livros são empurrados goela à baixo pelos professores, e às vezes cria-se no aluno uma certa resistência em relação à leitura. Mas isso não quer dizer que o professor deixe que os alunos escolham qualquer título por conta própria. O que deveria ser feito era um acordo entre professores e alunos à cerca dos livros a serem lidos, dentro das possibilidades dos conteúdos a serem estudados, é claro. Assim os alunos não iriam sentir-se "obrigados" a ler o que não querem.
    Outro fator importante também, talvez o que mais pese nessa questão, é o estímulo da leitura dentro de casa. Muitas vezes são os próprios pais que não estimulam os filhos ao hábito da leitura, e sabemos da importância que o exemplo dentro de casa faz em relação a construção da personalidade de um indivíduo.
    Bem, acho que falei um pouco demais, mas essa é minha humilde opinião!!! Rsrsrsrs

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Estou em choque
    "O brasileiro sabe da importância da leitura para progredir na vida, mas continua considerando a atividade desinteressante."
    O brasileiro precisa dar mais valor a leitura!
    Beijos Ingrid

    ResponderExcluir
  3. É uma pesquisa bem interessante, eu realmente acredito que a leitura deveria ser encarada como uma atividade de muita importância, pois na minha visão, é só com ela que o povo pode evoluir.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A leitura é único intermedio do crescimento, quem não ler, se torna ignorante, sem conhecimento e preso ao mundo pequeno.

    Lucas / Era uma vez...
    http://livrosecontos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. É a mais pura verdade,muitos trocam a leitura por outras atividades simplesmente por preguiça. Eu como professora de educação infantil procuro fazer a minha parte pra incentivar essas crianças a desenvolver o gosto pela literatura desde cedo.

    http://leiturasdepaty.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Essas informações são muito tristes. Nós, viciados em livros não acreditamos nisso! hehe
    Mas infelizmente, é a verdade. Já fiz algumas entrevistas pra faculdade com alunos do Ensino Médio e o resultado é bem parecido com esses. Leitores mesmo são pouquíssimos em comparação à nossa população brasileira. Que o mercado de livros tem crescido, isso a gente sabe. Pena que tal evolução não pode ser atribuída à maioria das pessoas. É triste também sabermos que há professores que não têm o hábito da leitura. Se estes não leem com frequência, como é que podem instigar os alunos a lerem também?! É um caso gravíssimo no nosso país, infelizmente!

    Beeijo
    @BrinaSophie

    ResponderExcluir
  8. Puxa, que triste, o pessoal não ler. Eu tenho uma paixão tão grande por livros e quero que todos leiam tambem. Mas realmente tem exterioridades que atrapalham e outros que não gostam mesmo. Eu faço minha parte, ja li 30 livros no ano e super me orgulho. Espero que a situação mude, afinal é tao bom ler.
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Não, espera aí, eu li isso? Essa frase aqui me matou agora -->> O brasileiro sabe da importância da leitura para progredir na vida, mas continua considerando a atividade desinteressante. Ok, não sou brasileira nem a pau. Nego a raça aqui e agora porque não pode uma coisa dessas! Desinteressante? Mas ver a novela idiota onde o povo fala errado, o reality show besta que não vai levar ninguém a lugar nenhum eles acham interessante né. Acho isso tão idiota que sinceramente me nego a dizer que sou brasileira. Tem coisas que me deixam triste nesse pais. Como pode? E já notaram que só o Brasil tem essa aversão pela leitura? Vai ver se os países desenvolvidos tem isso...é ruim heim! É por isso que esse país não vai pra frente ¬¬ Do que adianta reconhecer a leitura se preferem outra coisa? Afê...

    ResponderExcluir
  10. Esse texto só afirma um conceito que tenho de nosso País: CULTURA CUSTA CARO. CULTURA NÃO É NECESSIDADE.
    Como grande maioria pensa. Fui em uma livraria na quinta feira e comprei um livro do meu querido Harlan Coben paguei 24,90. Sinceramente achei caro. Porém se eu for sair pra beber por exemplo (coisa que não faço) vou gastar muito mais que isso. E brasileiro tem a mania de achar que um livro é caro, mas pagar 50 mangos pra entrar na boate baladinha é barato.
    É questão de cultura também. Brasileiro não tem o costume de ler como em outros países, mas muito me alegra que isso esteja mudando sabe!

    ResponderExcluir