6 de agosto de 2013

[Resenha] Garota,Interrompida


Postado por Carol Guimarães







 O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Keysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era algo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas.

Mais uma vez me pego copiando a sinopse do livro,mas não é pelo fato de ser preguiçosa e sim pela forma da escrita desse resumo,sendo assim não vou gastar meu tempo tentando resumir algo que já foi tão bem elaborado e persuasivo.
Para vocês leitores o que é a Sanidade?
É viver subordinado a ditadura que é imposta em nossas sociedades?É dizer sempre sim,sabendo que quer dizer não,só porque todos falaram a mesma coisa? Ou é viver conforme as suas regras,livre,ter a sua interpretação da vida...
Para Susanna Keysen essa última escolha sobre o que é a sanidade estava com certeza descartada,pois para a sociedade dos anos 60,todos deveriam se adaptar,aceitar os padrões impostos e encarar a vida,caso não fizesse isso seria considerado louco.
 “Transtorno de personalidade limítrofe: uma das características desse transtorno é um padrão invasivo de instabilidade da autoimagem, das relações interpessoais e do estado de espírito e que se manifesta no início da idade adulta e em diversos contextos.”
Garota, Interrompida é o tipo de leitura quase obrigatória, pois além de um relato pessoal de Susanna, é uma crítica viva aos métodos de diagnóstico de doenças mentais da década de 60.
Minha vontade de ler esse livro foi instantânea,assim que ele saiu em pré-venda logo comprei e a fome de devorá-lo falou mais forte,pois ao começo das minhas férias li Garota,Interrompida em questões de segundo.
Alguns leitores podem afirmar que a Susana é realmente uma louca,sim,com toda certeza,claro meus leitores que ela é transtornada,pois assim como vocês as pessoas daquela época eram pastorados por uma ditadura,que só se ampliou cada vez mais atingindo o mundo inteiro,até você,atualmente.
Contudo outros leitores ao lerem esse livro saberão o que é ser uma “Garota Interrompida”, saberão que não só a Susana, mas suas amigas são consideradas anormais aos olhos da sociedade por saber interpretar a vida do modo delas, claro e conciso.
A autora do livro,levanta o tema do amadurecimento,jovens como ela e como nós também,tem dificuldades em aceitar que está se transformando em adulto,claro que a época dela é diferente da nossa,mas o dilema é o mesmo: deixar de se encaixar em padrões pré-estabelecidos pela sociedade, tornava a pessoa diferente das demais, e de certa forma, indigna de conviver normalmente.
Para a época de Susana isso era tratado mandando estes jovens para um hospital psiquiátrico, mas a autora mostra que o apoio familiar e terapia convencional resolveriam, claro que algumas pessoas precisam de um tratamento psiquiátrico, contudo isso não é motivo para uma total alienação.