25 de setembro de 2014

[Resenha] Nosferatu


Postado por Nathália Almeida

Olá turma!

Antes de começar essa resenha, gostaria de me apresentar para vocês. Meu nome é Nathália, mas sintam-se íntimos o bastante para me chamar apenas de Nathy. Sou colunista do blog Segredos Entre Amigas e a mais nova colunista aqui do Fome e Vontade de Ler também. Espero que se divirtam lendo minhas resenhas tanto quanto eu me divirto escrevendo-as. Mas chega de papo furado e vamos logo ao que interessa, não é mesmo? 

Sinopse: Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. 
Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor. 
E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie. 
Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic. 
Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.

Para a minha estréia aqui no blog escolhi um livro que estava louca para ler a tempos: Nosferatu, do Joe Hill. Quando fiquei sabendo desse lançamento da Editora Arqueiro, imediatamente fiquei com vontade de ler. Nunca havia lido nada do autor, mas sempre tive uma curiosidade gigantesca sobre ele. Afinal, ele é nada menos do que filho do Stephen King. O dom da escrita já está na família!

Em Nosferatu, Joe Hill nos prende em uma história absolutamente fantástica, que até conseguiu me tirar uma ou duas noites de sono. A história inicialmente nos apresenta a dois núcleos diferentes. No primeiro, somos apresentados a Victoria MacQueen, ou simplesmente  Pirralha. O ano é 1986, Vic está com 8 anos. Acompanhamos a sua grande descoberta: uma ponte no quintal da sua casa. Atravessando a ponte com sua querida bicicleta, Vic consegue encontrar qualquer coisa que esteja perdida.

No segundo núcleo, temos Charlie Manx. Não sei exatamente como descrever Charlie. Ele não é totalmente humano, acho que a melhor definição para ele seria vampiro psíquico. Como Vic, Charlie também tem um dom único. Utilizando seu carro, um tipo raro de Rolls Royce, ele consegue viajar entre as “dimensões” e chegar a um lugar que ele chama de Terra do Natal. Com a ajuda de Bing Partridge, Charlie sequestra as crianças que, de alguma forma, são mal cuidadas pelos pais, ao passo que Bing cuida dos adultos de um modo inexplicavelmente terrível. Charlie leva as crianças sequestradas para a Terra do Natal, onde suga toda a sua alma, deixando apenas um espectro do que elas anteriormente foram.

Essas duas tramas se encontram quando Vic vê sua família se desfazendo. Após seu pai abandonar a família, a garota sai procurando por problemas. E é justamente o que encontra ao atravessar a ponte com sua bicicleta. Ela acaba indo parar na casa de Charlie Manx, e o impossível acontece: ela escapa praticamente ilesa. Isso faz de Vic a primeira criança a escapar das garras do nosso vilão. 

Após isso, temos uma passagem significativa de tempo. Manx passou muito tempo preso, mas sempre manteve a vingança em sua mente. E ele não vai descansar até conseguir afetar a mulher que um dia escapou dele e de seu carro espectro.

Quando peguei esse livro para ler, coloquei em minha cabeça que não iria fazer comparações. Mas isso foi praticamente impossível. Joe Hill tem uma forma peculiar de escrever que nos remete imediatamente às obras de seu pai, Stephen King. Fora isso, o gênero também nos ajuda bastante a fazer essa conexão entre os dois.

A narrativa de Hill possui um apelo fortemente descritivo. Outro fator que herdou do pai. Sua forma de desenvolver o enredo é bastante prolixa, tendo uma construção visual muito forte. Na história, demoramos um pouco a chegar ao cerne verdadeiro do enredo. Isso porque Joe opta por descrever minunciosamente seus personagens, fazendo com que nos acostumemos com eles, com suas personalidades e defeitos, antes de realmente mergulharmos de cara no terror que ele criou.

A estrutura sob a qual o livro foi escrito também é bastante incomum e me chamou bastante a atenção. O livro é dividido em partes, intercalando a visão de Vic com a visão de Manx, mas sempre narrado em terceira pessoa. Dentro dessas partes, temos marcações de lugares e datas, o que nos ajuda bastante a nos situar dentro da história, sendo que a mesma se desenvolve no decorrer de muitos anos, e não apenas em uma única época.

A Editora Arqueiro fez um belo trabalho com essa edição. Não apenas a capa é divina,  como toda a diagramação interna também esbalda glamour e dedicação. No começo de cada parte do livro, temos ilustrações exclusivas retratando algo que ocorrerá a partir dali. São pequenos adereços, como uma bicicleta ou um carro antigo, mas que no contexto geral adicionam um certo tom de terror à nossa leitura, e alimenta a nossa imaginação. A revisão dá um show a parte. Nenhum erro, de digitação ou de gramática, foi encontrado por mim. É imensamente gratificante perceber que nossa língua vem sendo tão bem estudada no momento das traduções!

Como disse anteriormente, esse foi o primeiro livro do Hill que tive o prazer de ler. Eu, particularmente, sou uma grande fã de leituras macabras e assustadoras. Depois de ler Nosferatu, Joe Hill decididamente entrou para o pequeno e reservado hall dos meus autores favoritos do gênero.

Não recomendaria esse livro para pessoas que gostam de romances. Acho que o enredo é totalmente oposto e o livro poderia não agradar tanto assim. Fãs de suspense e do bom e velho terror: invistam em Nosferatu. Joe Hill nos prova que não é conhecido apenas por ser filho de quem é, e sim por sua capacidade de criar histórias envolventes, surpreendentes e terrivelmente assustadoras.

Dito isso, me despeço de vocês, na esperança de ter conseguido despertar pelo menos um pouquinho de curiosidade nessas mentezinhas leitoras.


Beijinhos!

12 comentários:

  1. Carambaaaaaaa!!!!! Que renha incrível, super prende a gente ... deu-me vontade de ler o livo, e olha que essas literaturas meio suspense, meio terror e tals, tento ficar longe, mas essa história ai.... poxa, pareceu-me muito interessantes mesmo! Parabéns pela resenha! Sem mais,
    Att,
    Rafaely Zambianco

    ResponderExcluir
  2. Eu sou igual a Rafa tento ficar longe de livros de suspense e terror,mas essa resenha sua Nathy ficou ótima,bem eu sou suspeita em falar algo porque sou apaixonada pelo seu trabalho heheheehe.
    Adoro resenhas que prendem o leitor,faz ele ficar persuadido a ler e você nos consegue ficar mais pobres ainda lendo suas criticas.
    Enfim Nathy seja bem-vinda ao FVL e obrigada pela ajuda.
    Beijos Pão Queijo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Nathalia!
    Eu amo leituras assim, suspense e terror, mais suspense que terror por favor hahahah!
    Adorei a resenha e o livro!
    Quero ler!
    Bjos!

    www.leituravipblog.com

    ResponderExcluir
  4. Eu quero esse livro!!!! Amo o King e o Hill também.
    Os livros do Joe Hill são ótimos, tem aquela dose perfeita de suspense. Parabéns pela resenha!

    Bjs
    Jéssica Rodrigues
    http://lilianejessica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá Natália! Menina sua resenha ficou perfeita. Sabe aquela resenha que quando você acaba de ler e quer ler o livro? Eu gosto muito de livros de suspense, mesmo que fique sem dormir depois, ou não vá a cozinha sozinha. kkkkkk. Me interessei muito pelo livro, amanhã é dia de livraria e vou procurar por Nosferatu!
    bjs
    Eykler
    www.aghridoce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Nathália,
    Parabéns pela sua resenha, ficou ótima. Sendo Joe Hill filho de Stephen King isso já merece uma olhada, e como sou fã do Pai, com certeza esse livro vai para minha estante. pelo que li em sua resenha as narrativas de ambos são bem parecidas e leva o mesmo estilo do pai para criar um ambiente de terror.
    bjs
    www.navioerrante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá Nathy!!!
    Adorei a sua resenha, mas estou no grupo que adora um romance e não é fã de histórias de terror. O livro parece bem interessante, quem sabe no futuro né?!
    Parabéns e bem vinda ao Fome e Vontade de ler. ;)
    Bjus
    Juh

    ResponderExcluir
  8. Oi,
    Eu quero muito ler esse livro, mas ainda não tive oportunidade. Esse gene do terror que ronda essa família me deixa super animado. Adoro o gênero e pelas suas colocações, eu vou amar esse livro!!

    Abraço
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Natália
    Bem vinda ao blog.
    Eu adoro livros de terror e só leio críticas positivas sobre esse livro. Espero um dia ter a oportunidade de apreciar a escrita de Joe Hill.
    Ótima resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá. Li Nosferatu recentemente e adorei o livro. A história é chocante e me deu medo.
    Já conhecia a escrita do Joe Hill e mesmo assim ele me surpreendeu, positivamente, é claro. Não acho que ele tem a verve do pai Stephen King. Vemos traços do terror nas veias de Hill com a mesma intensidade e bizarrice do terror que Stephen escreve, não sei se consegui me expressar bem.
    Mas é isso, amei o livro, adorei sua resenha.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  11. Aff, até aqui tu tá, Naty? Pelo amor dhiaushudhasiuhdsad

    Eu ameeeeeeeeeei Nosferatu. Foi o segundo livro que li do autor Joe Hill e como sempre foi amor à primeira vista dahisuhduisahd *o*.
    Agora quero comprar os outros livros dele e do pai mais lindo do mundo, King <3

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Florrrrrrrrrrrrrrr AMEI A RESENHA!
    Eu to a um tempo de olho nesse livro, mas não tinha certeza se era pra mim, agora está na minha lista! Sua culpa! Amo o estilo!
    Beijãoo

    ResponderExcluir